Publicado em

Ethos

Nesta época estranha que vivemos de confinamentos e recolheres obrigatórios, em que ficamos em casa resguardados do vírus, da chuva e do frio mas não de pensar e sentir, surgiu-me através de uma amiga uma série da Netflix, que vi recentemente, e que me parece uma boa sugestão para este novo confinamento.  

Chama se Ethos, palavra de origem grega que significa conjunto de costumes, práticas e crenças  característicos de um povo, como que uma espécie de identidade social.  De origem turca, de Berkun Oya e Ali Farkhonde, tem como personagem principal Meryem, uma empregada doméstica que inicia um processo terapêutico por desmaios sem razão aparente. A série vai-se  adensando trazendo para a história a sua terapeuta (Piri), a terapeuta da sua terapeuta (Gulbin), a sua família (irmão e cunhada Ruhiye), o hodja e sua filha Hayrunnisa.

Continuar a ler Ethos
Publicado em

Uma breve nota sobre Resiliência

O conceito de resiliência, proveniente da física, tem vindo a ser explorado nas últimas décadas no campo da psiquiatria do desenvolvimento infantil, encontrando-se intimamente ligado ao conceito de vulnerabilidade. Na área da investigação, estudos têm surgido ligados à exposição a situações extremas observadas em crianças deslocadas, refugiadas, órfãs, separadas dos seus pais pela morte ou pela desorganização social. O conceito indica que mesmo o mais sensível dos organismos, quando submetido a severos ambientes de violência e destruição, pode encontrar mecanismos intrínsecos que o ajudem a tolerar e também a adaptar-se, resistindo e sobrevivendo. Sabemos, no entanto, que tais experiências deixarão marcas psíquicas indeléveis. 

Continuar a ler Uma breve nota sobre Resiliência
Publicado em

A Verdade morreu…no Capitólio

Sou um mentiroso! Cedo aprendi a mentir, antes mesmo de o perceber.

Somos todos mentirosos, isso é uma certeza.

Uns fazem mentiras simpáticas, inocentes, outras mais maldosas, interesseiras e canalhas; outras ainda expectáveis, alguns vão longe demais nas suas mentiras e muitas mentiras nunca são reveladas!

D. Quixote mentia a si mesmo convictamente e Sancho Pança mentia acreditar no seu amo. Cervantes foi (e é) adorado por escrever um romance que nada tinha de verdade, facto inédito até então. 

Continuar a ler A Verdade morreu…no Capitólio
Publicado em

TRUMP POWER

Numa luminosa crónica, escrita no Público, perto do termo do ano maldito, José Pacheco Pereira sublinhava o óbvio (?!): a Democracia institui o poder da Razão e dos Valores, contra o poder da natureza. A Democracia é uma notável construção contra-natura, rematava o historiador. 

Como bem sabemos, idealmente – e aos olhos da Lei -, todos as pessoas são iguais, em direitos e deveres. 

Esta premissa legitima a possibilidade de sujeitos não-brancos, sem tecido eréctil ou menos dotados de massa muscular acederem ao poder. O jogo democrático – essa criação apoiada na ética, direito e racionalidade – consubstancia esta possibilidade, consequentemente.

A 6 de Janeiro de 2021, nos Estados Unidos da América – esse bastião (?) da Democracia -, assistimos ao impensável: quando o Senado e a Câmara dos Representantes, em sessão conjunta, homologavam a eleição de Biden para a Presidência Norte-Americana, o Capitólio foi invadido por um bando de desordeiros, aparentemente instigados e manipulados pelo presidente Trump, ainda em exercício…

Continuar a ler TRUMP POWER
Publicado em

Pandemia e Saúde Mental

Há umas semanas atrás estive presente numa tertúlia sobre a saúde mental na pandemia, organizada pelos chamados “negacionistas”: os que negam a perigosidade do vírus e não aceitam as medidas impostas (máscara, higienização, confinamentos, estado de emergência, etc…), chegando mesmo a formular teorias da conspiração – “A fundação Bill Gates tem ligações com a OMS e com as grandes farmacêuticas que estão a fazer as vacinas; foi feita uma simulação de uma pandemia em Outubro de 2019 com um vírus imaginado que curiosamente era muito parecido com este… Sabe-se lá como terá surgido o vírus… talvez tenha sido fabricado como forma de enriquecimento de alguns…”

Se os entrevistados nesta tertúlia mostravam um pensamento isento e livre, condição necessária a poder pensar de forma rigorosa e verdadeira, já o entrevistador, mais do que procurar compreender de forma sincera e científica as repercussões da pandemia na saúde mental, tentava “puxar a brasa à sua sardinha” referindo uma “histeria coletiva da humanidade”, que se compreendia num “mundo fundamentalmente neurótico”, o que explicava a aceitação dos rituais de higienização pelos obsessivos, e do confinamento pelos fóbicos! 

Continuar a ler Pandemia e Saúde Mental