Publicado em

O amor redime o mundo diziam eles/ mas onde está o mundo senão aqui?

Setembro 2015:  Alan Kurdi, o menino encontrado morto numa praia da Turquia, desperta a nossa consciência adormecida para os que tentam chegar à Europa escapando às guerras, às perseguições e à pobreza. “Se esta imagem não mudar as atitudes da Europa com relação aos refugiados, o que mudará?”, questionava o jornal britânico Independent

Agosto 2017: Omran Daqneesh, o menino de cinco anos sentado no banco de uma ambulância, de olhar atordoado e com o rosto coberto de sangue, ferido num ataque à cidade síria de Aleppo, desperta-nos de novo. 

Continuar a ler O amor redime o mundo diziam eles/ mas onde está o mundo senão aqui?
Publicado em

O Sentido Figurado de Carlos Farinha

Inaugurou dia 3 de Outubro no Museu do Oriente uma exposição do pintor Carlos Farinha, juntando trabalhos relacionados com Macau e também quadros de grande formato relacionados com algumas cidades – “A Grande Alface”, “Porto Sentido”, “Proença-a-Nova” – e mesmo com o mundo – “My Mapa-Mundi”.

Carlos Farinha é um artista português, que cresceu em França e veio para Portugal aos 15 anos. Ainda hoje permanece no seu sotaque esta herança francesa, conferindo-lhe uma dupla identidade que certamente influencia o seu modo muito particular de representar a experiência humana. Começando por estudar escultura, acaba por se interessar pela performance e sobretudo pela pintura.

Os seus quadros são telas vivas, cheias de movimento, de cor e de emoção, nas quais encontramos sempre novos detalhes que ainda não havíamos visto antes. Como se fossem construídos em camadas, há elementos imediatamente visíveis, há outros elementos que só se reparam após um olhar mais demorado e há ainda elementos escondidos, que podem nunca ser identificados.

Continuar a ler O Sentido Figurado de Carlos Farinha
Publicado em

Nota de leitura

O “Desenho Infantil – espelho do mundo interno da criança”, obra de Orlando Fialho com prefácio do Professor Didier Houzel, consiste numa investigação que tem por base o desenho da família. 

A primeira parte deste livro, é dedicada à história da evolução do desenho, que tem início no homem pré-histórico ao deixar as suas marcas nas grutas. Como refere o autor, quer no homem pré-histórico quer na criança, estamos perante o que mais tarde, virá a ser o desenho intencional; já sinal de uma enorme evolução, tanto da espécie como do ser humano em si próprio. 

Continuar a ler Nota de leitura
Publicado em

A psicanálise da criança e do adolescente num mundo em mudança

Cem anos após a sua origem, falar de Psicanálise da Criança e do Adolescente permanece actual e revigorante. O encontro, proporcionado pela Sociedade Britânica de Psicanálise, que teve lugar em Julho em Londres, revelou ser um bom exemplo de que a psicanálise da criança se tornou num método de, antecipadamente, aceder ao que na vida adulta possa revelar-se como sentimentos de vazio ou trauma desestruturante.

Continuar a ler A psicanálise da criança e do adolescente num mundo em mudança
Publicado em

Dor e Glória: as Catacumbas de Almodóvar

Em Dor e Glória, Pedro Almodóvar narra-nos a história (de cariz auto-biográfico) de Salvador Mallo, um realizador de cinema em plena retirada depressiva. Jovem promissor, sobredotado, Salvador faz um percurso que o leva ao reconhecimento, encontrando-se, no momento presente do filme, preso à dor / sofrimento, no seu sentido mais amplo.

Continuar a ler Dor e Glória: as Catacumbas de Almodóvar