Publicado em

Manifesto da direcção da SPP sobre eleições no Brasil

Manifesto da direcção da Sociedade Portuguesa de Psicanálise sobre eleições no Brasil

A situação extremada de conflito social e debate político violento nas próximas eleições do Brasil, com o recurso a argumentos de profundo desrespeito pela dignidade humana e pelo direito à diferença, gerando um clima de terror entre os eleitores e onde a democracia e a liberdade de pensamento estão ameaçadas,  levaram a direcção da SPP a tornar pública a sua manifestação de profunda preocupação e de sincera solidariedade para com os colegas psicanalistas brasileiros, seus familiares e para com todo o povo do Brasil.

Pela Direcção

 

 

Publicado em

Situação política no Brasil – Carta aberta Psicanalistas SPP

Carta Aberta de membros da Sociedade Portuguesa de Psicanálise sobre situação política no Brasil

Como cidadãos do mundo e como psicanalistas estamos profundamente preocupados com a actual situação política vivida no Brasil, país que nos é particularmente querido pela história, pela língua e pelo trabalho que temos desenvolvido em comum. Conhecemos a sua riqueza, tanto do ponto de vista dos recursos naturais como humanos, sabemos da sua pujança, da sua capacidade de transformação, da sua enorme criatividade; infelizmente, também conhecemos as suas grandes desigualdades sociais e os problemas de pobreza extrema, de violência, de analfabetismo, de desespero e de medo.

A história tem-nos ensinado, e nós, portugueses, vivemo-lo na pele, que condições sócio-económicas e culturais frágeis, difíceis, são propícias ao surgir de arautos messiânicos que, auto proclamando-se salvadores da pátria, mais não fazem do que reforçar o poder de alguns à custa da repressão violenta de qualquer possibilidade de desenvolvimento de uma política realmente democrática, propiciadora do florescimento económico sustentado e do atenuar das desigualdades sociais.

Desta forma, incomoda-nos e inquieta-nos profundamente o cariz destrutivo, violento, misógino, racista do discurso que uma parte da classe política brasileira, através do seu porta-voz Bolsonaro, usa para ganhar votos. Sabemos que entre um discurso inflamado e uma prática efectiva pode medear um passo muito curto. E uma liderança tecida no ódio, no desejo de morte e de exclusão é um ataque à democracia, ao estado de direito e às liberdades fundamentais e só pode fomentar a destruição, o dividir para reinar, a corrupção, o medo, o embotamento, a impossibilidade/ dificuldade de ser, de sentir e de pensar, em suma, aquilo a que o psicanalista Réfabert (2001) chama “assassinato da alma”.

Todos devemos ter uma atitude activa, face ao risco de tão brutal violência nos âmbitos intrapsíquico, interpessoal e social. Não podemos ser cúmplices!

Membros da Sociedade Portuguesa de Psicanálise 

Luísa Branco Vicente

Maria Antónia Carreiras

Ana Sotto Mayor

Rui Aragão Oliveira

Pedro Salem

Maria Fernanda Gonçalves Alexandre

João Seabra Diniz

Ana Marques Lito

Isabel Margarida Pereira

Luís Robert Nogueira

Crisélia Sanromán

Sílvia Joas Erdos

Cristina Farias Ferreira

Maria Carmo Sousa Lima

Sandra Lacasta

Carina Brito da Mana

Joana Cardo da Costa

Pedro Job

Tiago Chagas

Maria Teresa Graça

Sandra Oliveira

Manuela Harthley

Isabel Quinta da Costa

Catarina Fernandes

Joana Bicho

Raquel Quelhas Lima

Maria José Gonçalves

Csongor Juhos

Emílio Salgueiro

Maria Deus Luís Brito

José Abreu Afonso

Isadora Pereira

Henriqueta Martins

Rita Marta

Filipe Cardoso Silva

Margarida Miranda

Catarina Rebelo Neves

Rita Gameiro

Filomena Carvalhinho Lopes

João Keating

Edviges Guerreiro

Andreia Cruz Gonçalves

Vítor Branco

Eugénia Soares

Bruno Raposo Ferreira

Maria Bibas Pereira

Carlos Ferraz

Conceição Tavares de Almeida

Inês Ataíde Gomes

Bruno Rosa

Conceição Melo Almeida

Ana Charro Garcia

Maria Teresa Sá

Ana Luísa Ferreira

Ana Belchior Melícias

Sónia Soares Coelho

Publicado em

Ciclo de Cinema “Há um psicanalista na plateia! O trauma no cinema”

Há um psicanalista na plateia! O trauma no cinema
Ciclo de cinema comentado
17 Outubro a 12 de Dezembro 2018
Cinema Medeia Monumental

Enquanto resposta à insegurança resultante de inúmeras ameaças reais ou subjectivas — colapso ecológico, crise económica, terrorismo, conflitos armados, retorno a várias formas de intolerância —, o trauma pode muito bem ser a marca de uma nova era que se vem instalando.
Um evento traumático envolve uma experiência ou uma série de experiências cujos impactos podem afectar as respostas/comportamentos do(s) sujeito(s) na sua vida quotidiana, desde as esferas sociais às esferas privadas e íntimas. Marcado pela cultura e pelos valores, do ponto de vista psíquico o trauma introduz uma ruptura no eixo espaço/tempo do indivíduo: paralisa a mente que fica condenada à repetição, na esperança de compreender e de se regenerar. Singular ou colectivo, o episódio traumático gera uma condição onde o afecto, associado à experiência, se torna da ordem do impensável e do irrepresentável, passando a ser vivido através da acção, e tendendo, quando não resolvido, a perpetuar-se transferindo-se geracionalmente, de pais para filhos, por vezes durante décadas.
O cinema tem vindo a apresentar-nos alguns ângulos de abordagem ao trauma, convertendo-se numa ferramenta útil para reflectir o modo como esta noção tem vindo a estruturar inúmeros discursos e visões sobre o nosso tempo e a nossa condição.

Organização: Instituto de História da Arte da FCSH-NOVA, Sociedade Portuguesa de Psicanálise, Medeia Filmes e Leopardo Filmes

Curadoria: Bruno Marques, Cláudia Madeira, Conceição Tavares de Almeida, Giulia Lamoni, João Mendes Ferreira.

Publicado em

Quando as estrelas se apagam.

A 1 de Outubro chegou-nos a notícia de que morreu aos 94 anos, na sua residência no sul de França, o menino que cresceu por entre os palcos de Paris, e que fez a música francesa transpor todas as distâncias – Charles Aznavour. Eleito “artista do Século” pela CNN em 1988, deixa um rasto sonoro, uma inscrição mnésica que atravessa gerações fazendo com que muitos o entoem mesmo sem reconhecer por vezes a origem nas notas que trauteiam.

Continuar a ler Quando as estrelas se apagam.

Publicado em

Formação  “Intervenção clínica no trauma” – 16 Janeiro 2019

 “Intervenção clínica no trauma

RUI ARAGÃO OLIVEIRA

16 de Janeiro 2019 (Quarta-feira)10h

Palácio Sacadura Bote (Edifício III da FPCE-UC) – Sala R/C – COIMBRA

 Formação intensiva de seis horas realizada em colaboração pela Sociedade Portuguesa de Psicanálise e pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra (subárea de Psicopatologia e Psicoterapia Dinâmicas)

 NOTA: Inscrições limitadas a 20 participantes, por ordem de chegada

  •  Objetivos

Este minicurso de 6 horas pretende refletir sobre o conceito de trauma em Psicanálise, contribuindo para uma compreensão aprofundada do fenómeno psíquico associado a acontecimentos traumáticos, fornecendo metodologias de análise para um diagnóstico diferencial, e promover a intervenção terapêutica de base psicanalítica.

É dirigido a psicólogos com conhecimentos básicos da teoria psicanalítica, estudantes de mestrado e doutoramento na área psicodinâmica, e outros profissionais de saúde mental.

 

  • Formador

Prof. Dr. Rui Aragão Oliveira (Psicanalista Titular com funções didáticas da SPP/IPA, realiza trabalhos de investigação e clínica psicanalítica no âmbito do trauma e processos de mudança psíquica. Presidente da SPP, Doutorado em Psicologia Clínica, dirigiu a Revista Portuguesa de Psicanálise e leccionou na Universidade de Évora e no ISPA).

 

  • Programa

O fenómeno traumáticos: Evolução conceptual na teoria psicanalítica;

Sintomatologia e diagnóstico diferencial;

A recolha de elementos para a compreensão de base psicanalítica;

Investigação psicanalítica atual e o trauma;

Intervenções psicoterapêuticas (apresentação e discussão clínica).

 

  • Inscrições online (aceder ao link)

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSewv8Yb6xH6FBKtqO5qB2YrMpyN4ru51GM5IyhhiVJjtJL4Eg/viewform?c=0&w=1

 

  • Informações

Sociedade Portuguesa de Psicanálise

Secretariado – Inês Marques

Av. da República, 97 – 5ºAndar

1050-190 Lisboa

Tel : 21 797 21 08 / Fax : 21 793 62 24

E-mail: sppsicanalise2013@gmail.com

Website: www.sppsicanalise.pt

Formação Intensiva_SPP_c_FPCE-UCoimbra