Publicado em

Trigésima Conferência Anual da Federação Europeia de Psicanálise (FEP)

A trigésima Conferência Anual da Federação Europeia (FEP) realizou-se, de 6 a 9 de Abril de 2017, em Haia – Holanda. O tema deste evento – inspirado nos diferentes acontecimentos políticos e sociais observados em vários países do mundo – foi, nas três línguas oficias da conferência: “Le propre et l’ étranger”, “The Familiar and the Unfamiliar”, “Das Eigene und das Fremde”.

Ao longo das sessões plenárias, assim como nos diferentes paneis de discussão, abordarmos o tema principal, sublinhando a importância da relação com o não familiar – estrangeiro, diferente – que ocorre no contacto com refugiados ou com membros de distintas culturas. Nas diversas sessões plenárias sublinhou-se – como os títulos das conferências indicavam – a importância da “Nossa relação com os refugiados”, “Entre compaixão e desumanização”, “Certos caminhos de alienação psicótica”, “Racismo interno”, “Identificações alienantes e a radicalização religiosa”, etc. A par destas sessões plenárias funcionaram também diferentes grupos de trabalho, de grande interesse, sobre a técnica e teoria psicanalítica assim como uma variedade de comunicações individuais.

Nesta conferência anual tivemos o prazer de assistir ao reconhecimento público do trabalho clínico e empírico de alguns colegas psicanalistas europeus. Assim, os nossos colegas René Roussillon, Ilany Kogan, Marianne Leuzinger-Bohleber, John Steiner receberam o “Sigourney Award” – um dos prémios mais prestigiados do mundo anglófono para honrar as contribuições, individuais ou institucionais, no avanço da psicanálise nos domínios da clinica e da investigação.

A Sociedade Portuguesa de Psicanálise – como sociedade componente da Federação Europeia de Psicanalista -, esteve presente, nesta trigésima conferência, através do seu presidente, Professor Doutor Rui Aragão, assim como de um número significativo de psicanalistas e candidatos que participaram nos trabalhos.

A escolha da cidade de Haia para acolher este evento, com centenas de participantes de diferentes países europeus, foi agradável e feliz. Haia, em Abril, estava cheia de imensos canteiros com narcisos amarelos e brancos o que naturalmente suscitava um grande prazer passear através das ruas desta cidade.

E foi ao percorrer as ruas da cidade que visitamos o Mauritshuis Museum onde tornamos a ver os quadros de Rembrandt – “A Lição de Anatomia do Dr. Tulp” – e de Johannes Vermeer -“ Rapariga com Brinco de Pérola”. Estando nesta cidade não podíamos deixar de visitar o Escher Museum, que nos leva para o mundo das ilusões ópticas, assim como o museu municipal Gemeentemuseum Den Haag onde apreciamos o trabalho de Mondrian, pintor holandês modernista.

Esta trigésima conferência transformou-se num agradável espaço de trocas de experiências e de contactos com colegas europeus, com variadas formas de pensar a psicanálise, mas igualmente foi um encontro com diferentes culturas.