Publicado em

Centenário do psicanalista português – Francisco Manuel Barreto Alvim (1917-2017)

A Sociedade Portuguesa de Psicanálise tem a satisfação de celebrar, este ano de 2017, o centenário de Francisco Alvim que foi um dos seus fundadores, o seu primeiro Presidente e o primeiro director da Revista Portuguesa de Psicanálise. 

Francisco Alvim nasceu no dia 8 de Novembro de 1917 em Alter-Chão, Portalegre, Portugal. Licenciou-se em medicina, especializou-se em neuropsiquiatria e trabalhou no hospital de Santa Marta em Lisboa. Aos trinta e cinco anos, com a sua família já constituída, parte para Genebra, à procura de respostas às questões que a sua prática clinica então colocava. Nesses anos cinquenta faz toda a sua formação para psicanalista na Suíça integrando-se no grupo de Raymond de Saussure e de Michel Gressot. Torna-se membro titular, com funções didáticas, da Sociedade Suíça de Psicanálise. Francisco Alvim, em 1959 em colaboração com psicanalistas portugueses e espanhóis, constitui o “Grupo de Estudos” luso-espanhol. Este grupo de estudos, em 1961, torna-se a Sociedade Psicanalítica Luso-Espanhola. Em 1966 surge uma ruptura com esta sociedade e cria-se o Grupo de Estudo Psicanalítico Português que se transforma, 1977, Sociedade Provisória de Psicanálise. Em 1981, no congresso de Helsínquia, passa a ser componente da Associação Internacional de Psicanalistas.

Francisco Alvim e os seus colegas tiveram, em Portugal, que combater a ignorância sobre o que era a Psicanálise. Tal estado de espirito era ampliado por uma serie de leis, dum regime politico ditatorial, que proibiam ou decretavam que o direito associação era restrito e necessitava de pareceres das autoridades vigentes à época. A revolução de abril de 1974 em Portugal vai permitir uma abertura e inicia-se a divulgação da teoria e pratica psicanalítica nas universidades, instituições ligadas á saúde e à educação.  Aceite a Sociedade Portuguesa de Psicanálise o seu primeiro presidente foi Francisco Alvim que tanto tinha combatido contra a descriminação da psicanálise em Portugal. Foi também fundador da Revista Portuguesa de Psicanálise e o seu primeiro director.

Francisco Alvim morreu, infelizmente, muito cedo, mas deixou a sua memória nos muitos analistas que com ele fizeram formação ou foram seus analisandos. Deixou uma obra feita de afectos e de relações profundas que perduram até hoje. Também deixou uma obra escrita e publicada sobretudo em revistas de língua portuguesa e francesa.

O psicanalista Francisco Alvim faria hoje, 8 de novembro de 2017, cem anos. A Sociedade Portuguesa de Psicanálise está de Parabéns.